sábado, 26 de novembro de 2011

À vida da gente.

                                     "Quem tem medo de sofrer não merece o melhor da vida"                                                                                                                                   
                                                                                             

Faz-me vivo Senhora Chuva.Deita em mim,como as lágrimas de uma viúva.E não me derretas de lembranças,não aflijas com textos antigos,nem me queime com teu hálito de destino.Tu tens sido meu remédio.É uma pena não poder marcar a hora certa de tomar.É sempre tão involuntária.

Então peça desculpas à sua vida se não cabe a ti todos os teus desejos.Finja ao menos que se importa com as mentiras apresentadas de bandeja na televisão.Não se revolte contra o mundo,não se junte aos moribundos.Sonhe de novo,e se acordar não volta atras,espere o próximo.Tem algo faltando dentro de mim.Todos os pedaços em um só,que me envenenam a língua.Que não me apertam contra a parede.À vida da gente um abraço,um beijo,um chá de ervas verdes.À vida da gente meu eterno agradecimento e também minha repulsa.À vida da gente meu nobre respeito,e minha eterna crítica.Tal que é um livro manchado de sangue,de perdas,de escuro,de garrafas vazias,de nostalgia,de melancolia e monotonia.À vida da gente,meu coração.


(Elisama Oliveira)
Postar um comentário