sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O mundo acaba na Estrada de Flores.

Me disseram,certo dia,que o mundo realmente acabaria.Pois bem,que acabe.Porém,como ultimo desejo,que o mundo acabe em flores.E que sejam elas todas azuis,assim como o céu deveria ser.Sim,o céu deveria ser azul.Mas o sangram todos os dias,e nem as flores tem o mesmo perfume.Nós estamos nos perdendo em sons alegres de desespero no despertar da tristeza.
- Mais alto,mais alto...
Até que os pássaros nos salvem de um perigo que nem nós mesmo conhecemos.Então,fechei os olhos...
Eu vi,que quando eu caminhava ficavam umas pegadas no chão.Mas,o surpreendente era que ao dar outro passo,nasciam flores no passo anterior.E conforme eu ia me afastando elas iam murchando,mas não todas,só as que me doíam quando eu pisava.Os passos mais tristes,murchavam.E nos passos que me alegravam,cresciam flores mais bonitas ainda.Depois vi que por onde eu passava eu deixava aquele rastro.Pena que só se viam flores murchas.
- O que houve com você ?
- Eu não sei,só houve.

Somos mesmo todos cegos,cheios de dor.Então quando me dizem que o mundo acabará,eu fecho os olhos e oro.É bobagem.Talvez por não acreditar nisso eu tenho gostado um pouco menos da luz.Eu queria mesmo que o mundo acabasse,pra que parassem de me perguntar se eu estou satisfeita com a cor da parede.Se eu gosto daquele cantor que está morrendo,se eu me encanto por balé e música clássica.
- Com sua licença,Senhores.Tenho que me retirar - e dou as costas,enquanto meus ombros começam a pesar.
A verdade é que o mundo acaba nessa minha Estrada de Flores.Eu só vejo beleza nelas.Eu não ouço uma única canção que me faça sentir satisfação.São todos monótonas.Creio,que serei sempre o avesso.Não por rebeldia,mas por sagacidade.Pela sede se conhecer um outro conto.É aí que o mundo acaba,quando eu deixo de caminhar,quando me deito e espero a noite consumir meu anseio.Então torno a calçar os sapatos,e olha só,o mundo recomeçando.Em flores.


                                                                                                         Elisama Oliveira
Postar um comentário